o que é vaginismo e como você pode ajudar sua parceira caso ela sofra com esse problema

o que é vaginismo e como você pode ajudar sua parceira caso ela sofra com esse problema

ANÚNCIO

Postagem escrita em 19/04/2023

Você já ouviu falar de vaginismo? É uma situação na qual a mulher sente dor na penetração vaginal. Isso não tem a ver com o tamanho do pênis do homem nem com nenhum problema físico. Essa situação não é nem considerada uma doença, mas sim uma síndrome psicológica ou disfunção sexual.

Assim como a disfunção erétil ou ejaculação precoce em homens costuma ter causas psicológicas, o vaginismo também funciona assim. Além disso, existem níveis de vaginismo que podem ir de leve a severa, dependendo do nível de desconforto ou até a impossibilidade completa de penetração.

O tratamento pode envolver consultas com psicólogo e medicação para tratar qualquer problema físico decorrente do vaginismo, como infecções, candidíase, falta de lubrificação, entre outros.

Leia o texto completo para entender melhor como o vaginismo acontece e como você pode ajudar sua parceira a superar essa situação.

O que é o vaginismo?

Resumidamente, é uma síndrome na qual a mulher sente dor na penetração, seja pelo pênis do parceiro, pelo dedo, por inserção de absorvente interno ou até no espéculo – objeto utilizado para exames ginecológicos.

Ela acontece tanto pela tentativa de penetração propriamente dita como também pela imaginação, um temor da mulher, ao visualizar uma tentativa. Exposta ao “risco” de penetração, a vagina se contrai involuntariamente, contraindo toda a vagina e até músculos adjacentes como o períneo e o ânus.

Essas contrações podem ser leves, causando certo desconforto, mas permitindo a penetração. Ou severa, impossibilitando a entrada de qualquer órgão ou objeto na vagina. Quanto mais grave a contração, mais complexo será o processo de tratamento e também maior a dor das tentativas – tanto física quanto psicológica.

Como você pode ajudar?

O primeiro passo para ajudar uma mulher que sofre de vaginismo é apoiá-la. Não reforçar estereótipos como “a culpa é sua” ou “você não confia em mim”. A mulher com esse quadro já tem travas emocionais relacionadas ao sexo. Não é com frases desse tipo que o problema vai se resolver.

O vaginismo é frustrante para o homem, mas ainda mais para a mulher, já que vem acompanhado de medo de abandono pelo parceiro, estigmas de ser ruim de cama, e uma perguntinha maldosa que vem do fundo da mente: será que eu nunca vou conseguir?

Com apoio do parceiro e ajuda profissional, mulheres com vaginismo podem ter uma vida sexual normal. Mas para isso, é preciso encontrar o foco do problema, que pode estar relacionado com várias questões: aspectos morais, religiosos, culturais, educacionais, e outros ainda mais complexos como histórico de abuso sexual e falta de conhecimento sexual.

Por isso, seja paciente, mostre que você está do lado dela nessa situação e que vai respeitar o tempo dela. Esteja presente no tratamento, entenda o que precisa ser feito e que tipo de palavras podem auxiliá-la (elogios, reforço de que a ama e que está com ela).

Sentir-se segura é fundamental para as mulheres no processo de cura do vaginismo. Seja um aliado, não um dificultador.

Gostou? Então compartilhe!